© 2019 por CBA

Marcos Geraldi, vencedor da categoria avançada do campeonato nacional de 2014.

-Onde, como e quando aprendeu a pilotar aviões?

Comecei a voar planadores no início dos anos 90 no Aeroclube Mineiro de Planadores - BH. Desde essa época já decidi que meu rumo na aviação seria a acrobacia aérea. Em 98 tirei meu PP e em 99 meu ACRO e INACRO. Acrobacia seria uma forma que encontrei à época para fazer valer minha vontade de realmente explorar a arte de voar. Não bastava reto nivelado, queria conhecer as  mais variadas formas, principalmente de dorso.
 
-Como foram os primeiros vôos acrobáticos?
Fiz meu curso em duas semanas - pois era o prazo de minhas férias. Portanto, os primeiros vôos foram impressionantes. Nunca tinha tomado G, e agora eu estava lindando com isso duas, três vezes ao dia. Me dava uma fome terrível!
 
-Em acrobacia, já encontrou alguma dificuldade que precisou ser superada?
Na vida em geral, encontramos dificuldades - faz parte. A principal foi encontrar onde voar e fazer o curso. Mas com muita persistência e vontade, aviões e oportunidades foram aparecendo.
 
-Quais foram os benefícios que a prática da acrobacia aérea trouxe para seu nível de pilotagem?
A prática desse esporte nos ensina muito para o dia a dia, pois a vida é principalmente uma questão de ATITUDE: e como sempre digo para meus alunos, acrobacia é atitude.
 
-Na sua opinião, qual a melhor forma de treinar para um campeonato?
Diversas são as formas de treinamento para uma competição. Depende um pouco de cada um. Mas o mais importante é saber O PORQUÊ, o O QUÊ e o COMO. Ou seja, ter um plano bem definido.
 
-Tem alguma opinião geral sobre a competições mais recentes, sobretudo a que você participou na AFA?
Primeiramente, o campeonato de Rio Verde marcou para reiniciar da acrobacia de competição brasileira. Embora eu não tenha participado como competidor, tive alunos que o fizeram, e nos motivou muito. E o campeonato na AFA foi sem dúvida o melhor campeonato brasileiro até o momento. Toda a atmosfera aeronáutica, bem como o próprio EDA - Esquadrilha da Fumaça propiciaram aos pilotos, competidores e demais entusiastas, os elementos necessários para o coroamento do que se iniciou no ano anterior. Competir na Avançada com o Mehari foi a cereja do bolo (particularmente falando)!

Parabenizo todos os envolvidos - direta e indiretamente - para esse feito que, certamente, foi o primeiro de vários no "Ninho das Águias". Cada campeonato é um aprendizado para os pilotos e os organizadores. Assim vamos seguindo.
 
-Pretende seguir competindo? Quais os planos para o futuro?
Sim pretendo competir e seguir competindo. Principalmente pelo fato de fazer parte de um time que projetou, construiu e voou o primeiro avião acrobático ilimitado brasileiro - UFMG CEA 309 MEHARI. Queremos levar este avião às melhores posições nos campeonatos.


-Tem algum conselho para quem deseje aprender acrobacia aérea?
O conselho é simples: se você deseja explorar a verdadeira arte de voar, faça acrobacia. Mas procure instrução profissional e envolva-se com profissionais! Voe sempre mantendo em.mente a segurança!!

Be inverted!

Produzido por Plinio Lins